Desde sempre quis ser advogado. Agora é sócio de um novo escritório que assessoria negócios internacionais.

Pedro Ângelo não se lembra de alguma vez ter querido ter outra profissão que não a de advogado. “Desde muito novo, decidi ser advogado pela vontade em ajudar os outros, defendendo os seus interesses perante a lei, bem como a incessante vontade em conhecer os limites do Direito, descobrindo as fronteiras do ser e do dever ser”, explica o jovem sócio da MC&A.

O advogado iniciou o seu percurso com um estágio na PLMJ – A.M. Pereira, Sáragga Leal, Oliveira Martins, Júdice & Associados, após o qual foi convidado a trabalhar como consultor jurídico no CEJUR – Centro Jurídico da Presidência do Conselho de Ministros –, onde desenvolveu actividade no acompanhamento do procedimento legislativo e nas questões de contencioso administrativo.

A transição para assumir um cargo de sócio na MC&A surgiu na sequência de um convite. “Foi-me apresentado um projecto inovador, ambicioso e com uma forte vertente internacional, com incidência nos mercados lusófonos de Angola, Moçambique, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau e S. Tomé e Príncipe, aliado ao escritório internacional SNR Denton, um dos maiores escritórios do Mundo”, adianta.

“É um projecto aliciante que representa uma lufada de ar fresco no mercado nacional e no eixo dos países lusófonos, e creio que será igualmente o futuro de muitas empresas portuguesas e estrangeiras perante a situação de ruptura do mercado europeu”, frisa Pedro Ângelo.

B.I.

Natural de Lisboa, Pedro Ângelo estudou na Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa e iniciou o seu trajecto profissional, como advogado estagiário, na PLMJ – A.M. Pereira, Sáragga Leal, Oliveira Martins, Júdice & Associados. É sócio da MC&A.

Sociedade

A MC&A é uma nova sociedade de advogados portuguesa, criada por Vítor Marques da Cruz, para actuar especialmente na assessoria de negócios internacionais no eixo Brasil-Europa-África.