Texto: Mário Sul de Andrade / Revista Human / Abril 2013

Na sociedade de advogados MC&A existe plena consciência que os membros de uma equipa dão à instituição «na mesma proporção daquilo que recebem dela e dos proveitos que tiram da sua atividade global», daí que se trabalhe para que todos se sintam «plenamente realizados a nível profissional, mas também a nível pessoal e familiar, havendo total abertura ao diálogo e à comunicação em todos os sentidos, de forma a encontrar soluções que vão de encontro às suas necessidades e aos seus objetivos». A opinião é de Vitor Marques da Cruz, sócio fundador da MC&A, que considera «essencial que cada um dos elementos da equipa se sinta parte integrante da MC&A mas, acima de tudo, sinta que a MC&A é sua e que o sucesso da sociedade é o seu sucesso». Essa responsabilidade, frisa, «partilhada por todos os elementos da equipa, dita o bom funcionamento da sociedade e faz com que todos trabalhem em prol do mesmo objetivo».

A sociedade pode ser comparável a uma pequena empresa, sendo fácil compreender os aspetos mais valorizados pelos colaboradores no que respeita às expectativas sobre a atividade desenvolvida e sobre o ambiente laboral em termos genéricos. «O ambiente intimista, de cumplicidade e companheirismo que vivemos na MC&A faz com que seja relativamente fácil trocar ideias, expor problemas e apresentar soluções por parte de cada um dos nossos colaboradores», explica o fundador, acrescentando: «para a MC&A, cada um dos colaboradores é parte ativa no seu processo global, daí ser tão importante a constante procura de perceber e avaliar as necessidades e expectativas, a fim de atuar proactivamente».

Grande parte da atividade da MC&A está centrada na construção e na gestão de relações interpessoais, quer seja junto dos clientes, quer internamente, no escritório, entre os advogados e entre estes e o “staff”. Vítor Marques da Cruz explica: «Para que as coisas funcionem corretamente a nível externo, tem de haver uma preocupação com o bom funcionamento interno. Privilegiamos o trabalho em equipa, pois é dele que surge todo o resultado da nossa atividade. Daí a necessidade que temos de assegurar um bom ambiente entre todos os elementos, sem esquecer as características de personalidade de cada um e tirando proveito disso. Normalmente, a assessoria de um determinado projeto é acompanhada por duas ou mais pessoas, de acordo com as necessidades jurídicas e a especialidade da área de Direito relacionadas com o projeto em causa, além do apoio prestado pelo “staff” administrativo».

A MC&A está a comemorar o seu primeiro aniversário. Nasceu já em pleno contexto de crise, «transformando o risco em oportunidade», diz Vítor Marques da Cruz. Muito do trabalho desenvolvido passa por apresentar às empresas oportunidades de crescimento por via da internacionalização para outros mercados, que se apresentem mais vantajosos em contexto económico, casos do angolano e do moçambicano. «Felizmente, na MC&A a crise teve repercussões positivas, contrárias ao expectável, no que respeita ao ambiente de trabalho proporcionado aos colaboradores», regozija-se o fundador, assinalando que «a oportunidade de desenvolver atividades profissionais em mercados internacionais, e em particular em economias emergentes, tem o efeito de proporcionar o desejo de querer fazer mais e melhor». Para Vítor Marques da Cruz, «o sucesso gera motivação e a vontade de superação que conduz à obtenção de bons resultados, os quais devem ser devidamente recompensados».