A sociedade de advogados portuguesa MC&A “espera poder em breve reforçar a sua actuação no continente asiático”, em resultado da fusão da rede internacional de escritórios onde está integrada com uma congénere chinesa, revelou esta segunda-feira, 26, a empresa liderada por Vítor Marques da Cruz, também sócio fundador.

A fusão da Dentons com a chinesa Dacheng “criou a maior rede de advocacia a nível mundial”, refere a sociedade portuguesa, adiantando que passa a contar com 6.500 advogados, em 50 países. “Uma rede que trará, seguramente, novas perspectivas à actuação da MC&A a nível internacional, especialmente na Ásia», salienta Vítor Marques da Cruz.
“Esta fusão é extremamente importante para a MC&A e para os nossos clientes, uma vez que teremos oportunidade de alargar a nossa rede de contactos e captar novas oportunidades de negócio intermediadas pelos novos parceiros, além de passarmos a beneficiar da presença física de escritórios chineses, bem como da partilha de know-how”, explica o sócio fundador da MC&A.

A sociedade já celebrou parcerias com escritórios de advocacia chineses e está referenciada pelo governo chinês junto de empresas como especialista na assessoria de investimentos nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).
“Muito provavelmente, a China é o país que mais investe em África, desempenhando o governo chinês um papel fundamental ao incentivar activamente as suas empresas neste mercado”, destaca Vítor Marques da Cruz, lamentando os “maus hábitos” daqueles que “investem sozinhos, sem procurarem apoio ou aconselhamento, originando, por vezes, dificuldades no exercício da actividade no terreno e obstáculos legais na hora de repatriar os fundos obtidos nos seus investimentos”.

A MC&A é especialista em direito bancário, mercado de capitais e em direito da energia, e está essencialmente vocacionada para o acompanhamento de negócios internacionais, em especial nos PALOP. A par das ligação à Dentons, tem parcerias em nome individual com escritórios no Brasil, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau e S. Tomé e Príncipe e em Angola.